Pesquisando doenças felinas

Os gatos podem ser capazes de escapar dos ferimentos de uma queda, mas muitos sofrem de doenças sérias, como leucemia felina, peritonite infecciosa, uma inflamação que ataca a membrana que reveste a parede do abdômen e panleucopenia (raiva felina). Desde a década de 80, pesquisadores veterinários tem conseguido grades avanços para entender duas das maiores doenças: um tipo de doença cardíaca chamada cardiomiopatia dilatada, e um tipo de Aids que ataca somente os gatos.

gato doméstico
© istockphoto.com / Александра Шкиндерова

Por quatro anos, a cardiomiopatia dilatada foi reconhecida como uma causa significante de morte entre os gatos de estimação nos Estados Unidos. Esta doença é caracterizada pelo crescimento e enfraquecimento do coração ao ponto de não ser mais capaz de bombear sangue. Até 1987, a causa da doença era desconhecida, e os veterinários não podiam oferecer nenhuma cura. Em 1987, os veterinários Paul Pion e Mark Kittleson, e seus colegas da Escola de Medicina Veterinária da Universidade da Califórnia, em Davis, relataram que os gatos que sofriam de cardiomiopatia dilatada apresentavam uma deficiência do aminoácido chamado taurina (aminoácidos são os tijolos que constroem as proteínas). Dando aos gatos suplementos de taurina fazia com que a doença fosse revertida, e levava à recuperação completa.

Antes do estudo da Califórnia, os especialistas em gatos pensavam que a deficiência de taurina ocorria apenas em gatos alimentados com comidas para cães ou com comidas caseiras que não eram nutricionalmente balanceadas. Mas os veterinários da Califórnia descobriram que gatos alimentados exclusivamente com alguns tipo de comidas industrializadas para gatos também poderiam desenvolver a doença. Desde o estudo de 1987, fabricantes de comida para gatos adicionaram mais taurina a seus produtos, e desde então o número de casos da doença diminuiu dramaticamente.