Como consertar motores pequenos

Autor: 
Fix-It Club

Motores pequenos nos servem de muitas maneiras. Eles acionam cortadores de grama, escarificadores de jardim, cultivadores, podadeiras, aparadeiras, removedores de neve, motosserras, bombas, geradores, compressores de ar e outras ferramentas domésticas. Eles também movimentam nossa diversão: motores de popa, carros de neve, motocicletas, quadriciclos, ultraleves e outros brinquedos. Para mantê-los operando eficientemente, o proprietário destas ferramentas e brinquedos deveria conhecer esses motores: como funcionam e o que fazer quando apresentam algum problema.

Motores pequenos a gasolina são compostos de sistemas individuais que trabalham juntos para gerar força. Cada sistema possui vários componentes. Motores de combustão interna a gasolina precisam de seis sistemas: combustível, escapamento, ignição, combustão, refrigeração e lubrificação. Neste artigo, discutiremos os sistemas e os componentes que fazem os motores trabalharem.

Combustível e escapamento

Os sistemas de combustível e escapamento são essenciais para o funcionamento do motor. Eles provêem o combustível para a combustão e removem os gases do escapamento. Abaixo os componentes dos sistemas de combustível e escapamento.

Gasolina: a gasolina é um combustível líquido que queima relativamente devagar. Entretanto, quando aspergida como vapor e misturada com ar, é bastante explosiva. Tudo o que precisa é de uma faísca. Motores de dois tempos necessitam misturar óleo com a gasolina para lubrificar as partes internas. Os motores de quatro tempos usam uma mistura de ar e combustível.

Tanque de combustível: o tanque armazena o combustível que será misturado pelo carburador e usado pelo motor. Alguns tanques de combustível são pressurizados com ar para ajudar a enviar o combustível para o carburador. Outros tanques não são pressurizados e dependem de uma bomba de combustível para suprir combustível para o carburador.

Tubos de combustível: o combustível é transportado do tanque para a bomba e/ou carburador através dos tubos de combustível. Sistemas de combustível pressurizado geralmente têm uma bomba de pressão manual no tubo de combustível para acumular pressão.

Filtro: o giclê do carburador possui uma pequena abertura que pode obstruir-se facilmente. O filtro de combustível retém a poeira e sedimentos da gasolina antes que cheguem ao carburador.

Bomba: a bomba de combustível produz um vácuo que puxa o combustível de um tanque não-pressurizado e o conduz até o carburador.

Carburador: o carburador possui a função de misturar a proporção correta de ar e gasolina para o motor. Muita gasolina na mistura torna-a rica; pouca gasolina torna-a pobre. 

Estes são os componentes típicos de um sistema de combustível em um motor de dois tempos.
2006 Publications International, Ltd.
Este diagrama revisa os componentes de um
sistema de combustível em motores de dois tempos

Estrangulador: essa válvula controla a quantidade de mistura combustível-ar que entra no motor vinda do carburador. Desta forma, controla a velocidade do motor.

Iniciador: ele injeta uma pequena quantidade de gasolina dentro da entrada do carburador para criar uma rica mistura inicial de combustível-ar. O iniciador é usado para auxiliar a partida de motores frios.

Afogador: alguns motores regulam a riqueza da mistura na partida controlando o ar em vez do combustível. O afogador diminui a quantidade de ar na mistura.

Regulador: é um dispositivo que abre a válvula de controle de combustível automaticamente quando for necessário mais potência e a fecha quando o motor não é tão exigido.

Silencioso: motores pequenos a gasolina, especialmente os motores de dois tempos, são barulhentos quando em operação. O silencioso reduz o som dos gases do escapamento fazendo-os passar por defletores.

Veda fagulhas: uma faísca pode sair pelo escape do motor em motores pequenos a gasolina, iniciando um incêndio em elementos inflamáveis que estejam por perto. O veda fagulhas na saída de escapamento pode diminuir as chances de tal perigo. Eles são especialmente importantes em motosserras, motocicletas, e quadriciclos operando em bosques secos.

Ignição

A ignição é um sistema primário dentro de todos os motores pequenos a gasolina. Ela gera e conduz a faísca de alta voltagem que incendeia a mistura ar-combustível para causar a combustão. Sem a faísca não ocorre a combustão e o motor não funciona. Abaixo estão os componentes encontrados em sistemas de ignição para motores pequenos. Alguns sistemas incluem ignição com platinado, ao passo que outros dependem da ignição eletrônica.

Sistema de ignição por magneto: um magneto usa magnetismo para fornecer eletricidade em sistemas de ignição sem bateria. O magneto é acionado pelo virabrequim, que rotaciona quando o cabo de partida manual é puxado. Os três tipos de sistemas de ignição com magneto são: sistema de platinado, descarga capacitiva e transistorizada.

Sistema de ignição a bateria: se os motores pequenos possuírem uma bateria para a partida, a bobina pode ser usada para suprir a centelha para as velas. A bateria armazena eletricidade até o momento necessário. Sistemas de ignição a bateria também usam distribuidor e platinado, descarga capacitiva e ignição transistorizada.

Ignição com platinado: as velas precisam receber eletricidade de alta voltagem no tempo certo. Na ignição com platinado, este trabalho é feito pelos pontos de contato e o condensador.

Contatos do platinado: à medida que o virabrequim rotaciona, um came abre e fecha um conjunto de pontos de contato. Estes pontos funcionam como um interruptor liga-desliga: fechado liga, aberto desliga.

Condensador: o movimento da faísca através dos contatos pode danificar sua superfície. Desta forma, o condensador armazena voltagem para reduzir a formação de arco entre os pontos.

Ignição com descarga capacitiva (CDI): o capacitor é um grande condensador. A CDI acumula e emite voltagem para a bobina usando eletroímãs, diodos e um capacitor.

Ignição controlada por transistores (TCI): os transistores são controladores eletrônicos. A TCI usa transistores, resistores e diodos para controlar o tempo da faísca.

Bobina: a bobina de ignição é simplesmente um par de bobinas de fio enroladas num núcleo de ferro. A bobina transforma a baixa voltagem (6 ou 12 volts) em alta voltagem (15.000 a 30.000 volts) necessária para a vela.

Vela: é um eletrodo atarrachado em cima dos cilindros do motor. A eletricidade sincronizada de alta voltagem vinda do magneto passa por um cabo até a vela. A base da vela possui um intervalo de ar de aproximadamente 0,76 mm (76 centésimos de milímetro), pelo qual a corrente precisa saltar.

Cabos: o cabo primário da bobina até o platinado e o cabo secundário até a(s) vela(s) conduzem a eletricidade até os componentes da ignição.

Distribuidor: o distribuidor é um sistema de ignição para motores com mais de um cilindro e vela. Ele distribui a centelha para o cilindro apropriado usando um rotor, uma tampa e cabos de vela individuais.

Combustão

No sistema de combustão de motores pequenos a gasolina é onde o trabalho é feito. Os componentes do sistema de combustão incluem: bloco do cilindro, cabeçote do cilindro, eixo de comando, válvulas, pistão, biela, virabrequim, engrenagens reguladoras e o volante. Para entender melhor os motores pequenos a gasolina, vamos examinar como funciona este sistema vital.

Bloco do cilindro: é a maior parte nos motores pequenos. É uma peça de metal onde está localizada a cavidade do cilindro.

Cabeçote do cilindro: o cabeçote é o topo ou teto do cilindro e é preso ao bloco com prisioneiros. Dependendo do tipo de motor, o cabeçote pode ou não incluir válvulas.

Pistão: o pistão é o piso móvel da câmara de combustão. Seu movimento ascendente comprime a mistura ar-combustível. Depois da combustão, seu movimento descendente faz virar o virabrequim.

Virabrequim: o virabrequim de um motor é um eixo de metal com uma seção deslocada na qual a biela é conectada. A rotação do virabrequim move o pistão para cima dentro do cilindro. O movimento do pistão para baixo, por conseguinte, rotaciona o virabrequim.

Biela: entre o pistão e o virabrequim está a biela. Na extremidade maior da biela há um rolamento que permite a rotação em torno do virabrequim. A extremidade menor é presa ao pistão.

Válvulas: elas simplesmente abrem e fecham passagens. A válvula de lingüeta nos motores de dois tempos é ativada pela pressão do ar.

Volante: no final do virabrequim há uma roda circular pesada chamada volante. Ele fornece força para os dispositivos do motor (rodas, lâminas, etc.) e ajuda a manter o virabrequim girando suavemente.

Estes são alguns dos componentes do sistema de combustão dos motores de dois tempos.
2006 Publications International, Ltd.
Estes são alguns dos componentes do sistema de combustão dos motores de dois tempos

Refrigeração e lubrificação

A combustão e a fricção produzem calor. Calor e fricção, quando não controlados, podem rapidamente danificar as peças do motor. Motores pequenos a gasolina são geralmente refrigerados a ar. A fricção é reduzida com o uso de rolamentos e lubrificantes.

Aletas de refrigeração a ar: por uma questão de simplicidade, a maioria dos motores menores a gasolina são refrigerados a ar. Aletas de metal em torno do lado externo da câmara de combustão ajudam a dissipar o calor interno.

Fricção: é a resistência que ocorre quando uma superfície é esfregada contra a outra. A fricção causa o desgaste. Em um motor com partes móveis, a fricção é reduzida com rolamentos e lubrificantes.

Rolamentos: é uma peça substituível que suporta o maior impacto da fricção. Um rolamento de fricção depende de lubrificantes para minimizar a fricção. Um rolamento sem fricção usa roletes ou esferas de metal duro para prevenir o desgaste, embora também necessite de alguma lubrificação.

Lubrificantes: os lubrificantes, como o óleo e a graxa, reduzem a fricção nas superfícies recobrindo as peças com uma camada fina. Os lubrificantes em motores de dois tempos são aplicados às superfícies misturando óleo com combustível.

Viscosidade: a viscosidade de um óleo é sua resistência ao fluxo. Quando mais grosso for um óleo lubrificante ou graxa, mais alto é seu índice de viscosidade.

Filtros: a fricção é inevitável. Peças em movimento desgastam-se, mesmo com o melhor dos lubrificantes. O metal resultante, bem como o carbono do processo de combustão devem ser retirados do óleo para garantir a lubrificação por um longo tempo. Alguns motores menores usam filtros de óleo para remover os contaminantes do óleo em circulação.

A manutenção regular dos seus motores pequenos irá no final economizar tempo e dinheiro. Na próxima seção, veremos como, onde e quando fazer o serviço de manutenção nesses motores.