Estudo liga bem-estar pessoal à satisfação com o país

Autor: 
Mariana Noffs

 

 

 

jogos ao ar livre
© istockphoto.com / Debi Bishop

O país onde você vive pode ter um grande um impacto muito maior na sua vida. Um novo estudo com pessoas de 128 países descobriu que quanto mais a pessoa está satisfeita com seu país, melhor se sente com sua vida pessoal - especialmente pessoas que têm baixa renda ou moram em países relativamente pobres.

O estudo, publicado na última edição da revista Psychological Science, é baseado na pesquisa Gallup World Poll que entrevistou mil pessoas em cada um dos 128 países, chegando a 130 mil respostas. As perguntas eram sobre questões da vida de cada um, como satisfação no trabalho, renda familiar e como se sentiam sobre a vida no país onde moravam.

"Nós previmos que as pessoas que estão passando por maus momentos - com pouco dinheiro ou que vivem em países muito pobres - focariam em outras áreas para conseguir algum consolo", diz o autor do estudo, Mike Morrison, da Universidade de Illinois. De fato, foi o que eles descobriram. Não importa onde você esteja no mundo, sentir-se bem com seu país parece ser altamente associado ao seu bem-estar social. Mas isso é mais forte para pessoas com baixa renda, que vivem em países pobres, e tamabém de nações não-ocidentais. "Você pode ouvir políticos de todo o mundo declarando 'Nós vivemos no melhor país do mundo!', e o povo aplaude", diz Morrison. "Qualquer um pode idealizar seu país" - e isso parece ser uma opção forte para aqueles que estão em pior situação financeira.

É mais provável que os povos dos países não-ocidentais se identifiquem fortemente com um grupo, em oposição ao sentimento individualista que prevalece no oeste. Isso pode explicar por que nessas nações a sensação de bem-estar social é mais ligada à satisfação com o país. Para quem mora em países ocidentais e para pessoas com alta renda, o bem-estar está mais ligado a fatores pessoais, como saúde, padrão de moradia e satisfação com o trabalho.

A maioria dos estudos sobre felicidade foca na vida individual da pessoa - saúde, renda, comportamento ou temperamento. "Mas descobrimos que características societárias, e como elas são percebidas, podem também ser importantes", diz o co-autor do estudo, Ed Diener. "E mais, essas características se tornam ainda mais importantes para a felicidade quando a vida de uma pessoa não está indo bem. Isso pode explicar por que o nacionalismo, a lealdade dos fãs de esporte e a religiosidade podem ser muito importantes nas épocas de dificuldade".

Artigos relacionados

 

Publicado em 09/02/2011